sábado, Setembro 02, 2006

Risco, Penosidade e Insalubridade

Os enfermeiros pela natureza das suas funções, correm vários riscos, pelo contacto ou exposição a agentes químicos, físicos, biológicos; pelas condições de trabalho e pelas funções que têm de desempenhar e para as quais a evidência científica mostra sujeitá-los a problemas de saúde mental e física que resultam muitas vezes em perda de emprego ou em incapacidade permanente.

O risco está relacionado com exposições acidentais a agressões físicas, químicas ou biológicas, que podem trazer consequências várias à saúde e integridade física: quedas, entalamentos, picadas, cortes, queimaduras, radiações, acidentes de viação, contacto com vírus ou outros microorganismos.
A penosidade está relacionada com as situações com as quais lidamos e que comportam uma carga psicológica perturbadora, desconforto, alteração dos ritmos biológicos: aquilo que exige um esforço físico, psicológico, social, espiritual, permanente e suplementar.
A insalubridade está relacionada com as condições de higiene, saúde e segurança no local de trabalho: estar em contacto com líquidos biológicos, exposto à infecção hospitalar, com infecções respiratórias relacionadas com a má manutenção dos sistemas de ar condicionado, fazer trabalho domiciliário à chuva, ao sol, entrar em casas degradadas, infestadas de insectos (dos quais os hospitais e centros de saúde também dispõem, como as inevitáveis baratas).

Uns recebem subsídios, outros não. Porquê?

Contacto com doentes com doenças infecciosas, o contacto com a dor, o sofrimento e a morte, passar muitas horas em pé, um trabalho que implica elevada responsabilidade e cujos erros podem ter danos graves e irreversíveis para a vida e saúde do outro, entre muitos outros aspectos, fazem-nos afirmar que esta é uma profissão de elevado risco, em qualquer local em que seja exercida.